Porno Massacre revisita single e calmamente invoca o caos

Porno Massacre revisita single e calmamente invoca o caos


Banda utiliza castanholas, equipamentos reaproveitados e áudios de WhatsApp para finalizar faixa

O que era para ser um processo para o terceiro disco da Porno Massacre (SP), tornou-se uma nova versão de uma velha conhecida dos fãs: “Que Venha o Caos”, agora em versão mais calma, ganha o nome de “Expurgo (Que Venha o Caos)”. Gravada pela própria banda, a faixa traz uma nova roupagem, com forte linha de baixo e acrescenta castanholas. 

A letra de forte cunho político é um chamado ao caos, a entregar-se à luta, já que não há mais nada a perder. O single já está disponível nas principais plataformas de streaming e por encomenda no site Doutrolado. “Em meio a uma sociedade falida, de um país que prefere a ruína do seu semelhante. Na disputa pelas parcas migalhas que são jogadas por uma elite tão alienada quanto altamente necrófaga, elegeu-se no fogo cruzado da manipulação de informações, um fascista. Despreparado, altamente perigoso, visto a clara total ignorância e o declarado preconceito, atolado numa imposição moralizante retrógrada e questionável, sustentado por uma rede de fanáticos religiosos e figuras proeminentes da exploração econômica escravagista”, declara Lupe “General Sade”, vocalista da Porno Massacre.
Este é o cenário em que o Porno Massacre se propôs a repensar “Que Venha o Caos”, presente no álbum homônimo lançado em 2019. 

Com uma ilha de edição improvisada, antigos equipamentos de estúdio foram utilizados: receivers velhos, um computador antiquado, e mais alguns itens desvalorizados. Entre os testes durante a preparação do novo álbum,estava “Que Venha o Caos”, que ganhou novo arranjo de cordas composto por Bruno “Aiatolá” e Marcelo “Little Lúcifer”.

Todo o processo de produção, gravação, mixagem e masterização foi feito de forma remota. As discussões foram realizadas por telefone, e a maioria das partes foram improvisadas por Aiatolá, que utilizou microfones velhos, vozes gravadas em celulares, e até mesmo o “efeito de respiração” que foi gravado com um celular encostado no peito enquanto Bruno tentava respirar no tempo da música.

“Sem muito recurso (não tinha uma bateria pro Mauro sentar a porrada, ou uma sala grandona pra gente berrar como de costume) a música foi sendo feita de pedaços de áudios que eram baixados do Youtube e de mais alguns truques como um pedal que simula teclado e um VT-3 (daqueles aparelhos que os DJs usam para modular a voz nas raves), pequenos instrumentos de percussão e etc. A Lupe entrou nos vocais e no solo de castanholas.”, relembra Bruno.

Já para a capa do single, a ordem era criar algo que deixasse claro o momento pelo qual estamos passando. Com auxílio de Ricardo Anjinho, que já trabalhou com a Porno Massacre em outras ocasiões, surgiu a ideia do bebê.

“No começo da pandemia nunca imaginaríamos e agora é uma realidade.”

Tá tudo lá, na cara para todo mundo ver nessa capa o que foi esse período de Pandemia que vivemos e estamos vivendo. Que Venha o Caos: e não o caos da mudança, o caos da ruptura com velhos padrões limitantes da vida, pelo contrário, o caos fabricado que justamente trabalha em prol da manutenção das forças de controle, da anti vida, da anti expansão da experiência. Fosse a pandemia nosso maior problema, estaríamos equiparados ao resto do mundo. No entanto, aqui a tragédia é dupla. Ela é uma tragédia humana e ética.”, finaliza Bruno “Aiatolá”.

Porno Massacre é uma banda de São Paulo, fundada em 2008, que une Punk, Trash e Jazz, com influências musicais que vão do The Cramps aos Beach Boys e Ratos de Porão, com altas doses de Iggy Pop e New York Dolls. 

Seus shows são marcados pelas performances teatrais e estapafúrdias dos integrantes ao tentarem dar vazão à tortura que nos consome a todos, com forte inspiração nos filmes Porno Holocaust e Massacre da Serra Elétrica. 

Em sua discografia, o grupo conta com os álbuns: 

“Que Venha o Caos” (2019) e “The Great Porno Massacre Adventures, Vol. 1” (2016).

Participam do single “Expurgo (Que Venha o Caos)” os músicos Bruno “Aiatolá” (guitarra e backing vocal), Mauro “Black Nail” (bateria), Lupe “General Sade” (voz e gaita) e Marcelo “Little Lúcifer” (baixo e backing vocal). A arte da capa é uma obra do designer Ricardo Anjinho.

 Ouça o single “Expurgo (Que Venha o Caos)”: https://song.link/br/i/1565232324

Acompanhe a Porno Massacre 

Tchaina Bass

Tchaina Bass

Atua como baixista das bandas: Capa Preta Rock, Exclusão Social e Ligante Anfetamínico. Fundou o Selo Sub_Discos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − quatro =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.