O LEGADO QUE NOS DEIXA EDDIE VAN HALEN

O LEGADO QUE NOS DEIXA EDDIE VAN HALEN

A gente tenta descansar por alguns minutos no meio da pandemia, mas algo sempre surge para nos empurrar de volta ao desassossego das redes. Dessa vez foi o falecimento de Edward Van Halen (65 anos) de câncer na garganta. Enquanto meu celular vai pipocando links e comentários diversos sobre o falecimento do ícone das guitarras, me levanto pra me conectar na live do IGTV da Putz com o Fabiano Girard.

São 10 passos do meu quarto ao computador que, por mais que eu queira fingir que não me abalo com a notícia, vertem imagens dos meus primeiros contatos com os discos do quarteto californiano que muito tocou no toca-fitas aqui do quartinho dos irmãos Acosta.

O disco 1984 foi um dos primeiros discos que ouvi de Rock and Roll e até hoje toco alguma coisa desse fonograma maravilhoso que a banda registrou em seu auge da fase com o vocalista Dave Lee Roth.

Lembro da primeira vez que escutei riffs como a abertura de Ain’t Talking ‘bout Love e Unchained. Riffs que mostram que o talento do Eddie não era apenas para o gosto de amantes de solos virtuosos e longos. Ele era um grande compositor de grandes riffs do Rock. Van Halen faz uma junção de bons músicos, boa produção e diversão com clipes memoráveis como Hot For Teacher.

Dois pontos que eu e o Girard não conseguimos deixar de mencionar durante a transmissão é que os Van Halens (tanto o Alex, o batera, quanto Eddie) são aquele tipo de músico que o fã saca que é ele quem toca em poucos segundos de audição. Isso já seria um legado e tanto para Eddie Van Halen e nem precisei comentar o mais aclamado elemento do estilo do cara: os famosos solos com tapping que fizeram história na maneira como os guitarristas solam até hoje. Basta ouvir o curtíssimo solo em Eruption para saber do que se trata.

Ainda sobram pepitas sonoras da fase Sammy Hagar. Os teclados de Right Now, Dreams, a beleza simples e pontual de I Can’t Stop Loving You e a pesada Don’t Tell Me (What Love Can Do) do disco Balance, um dos mais importantes da fase Hagar. Entre idas e vindas de 12 discos de estúdio e 3 vocalistas, Eddie entra para a história como um guitarrista divisor de águas que ditou estilo entre os anos 80 e 90, não apenas como guitarrista solo, mas como grande arranjador e compositor. Rest In Peace Edward Lodewijk Van Halen. Keep on Rocking in Heaven!

Juann Acosta

Juann Acosta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × três =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.