O Elevador lança No Espaço em Vão

O Elevador lança No Espaço em Vão

Música antecede o terceiro álbum da banda que será lançado dia 12 de Março.

O Elevador por Romero Dominguez (da esq p dir – Thalison, Thiago, Alexandre, Gustavo)

A banda O Elevador, baseada em Itajaí (SC), está nos preparativos finais do seu terceiro álbum, intitulado Nada Para Num Instante, sucessor de A Fuga do Albatroz no Mundo das Máquinas Loucas (2017) e Fantasia (2018). Enquanto isso, lança No Espaço em Vão, single que revela o universo psicodélico sessentista do disco. Ouça aqui.

A faixa surgiu quando o guitarrista Thiago de Paula se viu sozinho onde, a princípio, seria um local no qual a banda montaria um estúdio para produzir o novo álbum, no entanto, veio a pandemia e adiou os planos do grupo, que também conta com Alexandre Schafaschek (bateria), Gustavo Barbosa (voz e guitarra) e Thalison Moschetta (baixo). “Ao longo do ano, raramente nos reunimos, porém eu fiquei os primeiros meses da pandemia morando nesse home studio e foi lá que produzi a base da maioria das músicas do álbum, inclusive de No Espaço em Vão”, conta Thiago. “A ideia da melodia e arranjos surgiu depois que assisti a um minidocumentário chamado ‘The Band Everyone Thought Was The Beatles’, que falava sobre os Klaatu, uma banda dos anos 70 muito pouco conhecida, cujo o primeiro álbum se especulava na época que era um álbum dos Beatles gravado em segredo, sob pseudônimo. 

A partir da inspiração, busquei criar novos arranjos e melodias e com isso pronto gravei as primeiras linhas de guitarra, violão, teclado e controladores, preenchendo a música com referências mais atuais de timbres e ritmos”, continua.

Capa do single No Espaço em Vão

Quanto à letra de No Espaço em Vão, Thiago comenta: “Lembro que quando eu escrevi a letra da faixa estava me sentindo cotidianamente ansioso e um pouco mais pessimista com toda a situação de pandemia e conflitos pessoais. E, em meio a tudo isso, as palavras vieram de forma bem natural: falo sobre estar tarde, o tempo estar passando e eu estar cansado. No começo dos versos cito as fases do dia: ‘tarde’, ‘noite’ e ‘manhã’ e a relação delas com a luz, tarde – o cansaço do fardo, noite – a escuridão, tudo ser esquecido e fugir do controle, e manhã – que é o renascimento dessa luz, que surge ‘em meio ao caos e à confusão’, ‘em meio aos fantasmas’. Mesmo que tenha um significado específico pra mim, espero que cada pessoa que ouvir a música se impacte ou compreenda a letra de acordo com suas percepções e sensibilidade, assim como foi para cada integrante da banda, o que ainda colaborou com inspirações para a finalização da faixa”.

O álbum Nada Para Num Instante foi contemplado pelo edital emergencial Aldir Blanc da Fundação Cultural de Itajaí.

FICHA TÉCNICA

Alexandre Schafaschek: bateria

Gustavo Barbosa: voz

Thalison Moschetta: baixo

Thiago de Paula: guitarra, violão, teclado, órgão, controladores e percussão

Mixagem e masterização: Thiago de Paula

Letra de Thiago de Paula

Capa: Bill

LETRA

Está tão tarde eu sei

esqueci de começar

e de lembrar que andei

mesmo sem aguentar

toda a luz que cai

toda a luz que vai

pra onde eu não sei

escorrendo pelo chão

e sumindo devagar

em lentos frames, na escuridão

já é noite eu sei

já estou sem ar

e a vida que eu levei

meu medo é ela flutuar

no espaço em vão

no espaço em vão

no espaço em vão

em meio a ilusão

do voltar atrás

toda luz que cai

toda luz que ao nascer

em meio ao caos e a confusão

em meio aos fantasmas

em toda a direção

já é manhã eu sei

vamos ver o sol nascer

vem comigo me mostrar

pois contigo mergulhei

nas madrugadas

LINKS

Instagram

Youtube

Facebook

Bandcamp

SOBRE O ELEVADOR

Em 2014, dois amigos de longa data Thiago de Paula (guitarra) e Gustavo Barbosa (voz e guitarra) se mudaram do interior do Mato Grosso para Itajaí, em Santa Catarina. Na faculdade conheceram Thalison Moschetta (baixo) e Alexandre Schafaschek (bateria), ambos vindo do interior de Santa Catarina, e após passar o ano de 2015 fazendo alguns ensaios e jams, O Elevador se tornou oficial em 2016, quando começou a fazer shows na região, inclusive no importante festival da região, Não Vai Ter Coca.

Desde então, a banda lançou A Fuga do Albatroz no Mundo das Máquinas Loucas (2017) e Fantasia (2018), e já se apresentou diversas vezes em Itajaí, Florianópolis, Blumenau, Balneário Camboriú, Brusque, Joinville, Curitiba e demais cidades da região, dividindo palco com nomes nacionais (Bike, Yma, Oruã, Dom Pescoço, Trombone de Frutas, Catavento, Goldenloki, Supervão) e internacionais (Samsara Blues Experiment, Mélange de Culture).

Tchaina Bass

Tchaina Bass

Atua como baixista das bandas: Capa Preta Rock, Exclusão Social e Ligante Anfetamínico. Fundou o Selo Sub_Discos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 + 9 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.