Creepy Metal Show-Arquivos do medo#24 A arte de provocar medo anos 90 e 2000

Creepy Metal Show-Arquivos do medo#24 A arte de provocar medo anos 90 e 2000

Anos 90 e 2000:

Uma boa parte dos filmes de terror passou a ser lançada diretamente em vídeo, mas existiram algumas exceções, como é o caso de Drácula de Bram Stoker feito por Francis Ford Coppola, em 1992, e o filme independente Fome Animal de Peter Jackson, lançado no mesmo ano. A Bruxa de Blair, de 1999, foi um dos poucos filmes que usou a internet (crescente na época) para divulgar seu lançamento e lucrar muito.

Em 2002, os coreanos surgiram com Jian Gui (lançado no Brasil como A Herança) usando a mitologia budista como plano de fundo. A mesma temática espirita foi usada por M. Night Shyamalan em O Sexto Sentindo, de 1999.

Em meados dos anos 2000, os diretores e roteiristas passaram a usar pragas, feras e catástrofes naturais em suas produções, mostrando os seres humanos como vítimas. Assim, o medo foi aproximando-se cada vez mais do público. O fim do mundo e os possíveis riscos da tecnologia também foram temas de filmes de terror, horror e suspense.

A ameaça zumbi, por exemplo, como acontece em a Madrugada dos Mortos (a refilmagem de 2004) também levou muito sangue e terror às telas.

O receio de que algo aconteça a um filho está muito presente nos filmes da atualidade, por isso vemos tantas crianças como personagens principais no gênero de terror. O objetivo, nesse caso, é mexer com o emocional por se tratar de pequenos indivíduos indefesos em risco.

A verdade é que diretores e Roteiristas sempre souberam como nos chocar, levando em conta o que estamos vivendo. Pense bem, em 1910 teríamos base para imaginar uma ameaça robótica sem termos tecnologia avançada e, principalmente, a inteligência artificial? Somos fisgados por aquilo que nos toca no filme, seja com o objetivo de vencermos nossos medos ou pela empatia por um personagem. Talvez seja por isso que os filmes de terror fazem tanto sucesso e, provavelmente, não deixaremos de assisti-los tão cedo.

No Brasil:

José Mojica Marins, mais conhecido como Zé do Caixão foi responsável por causar medo em filmes como Á Meia Noite levarei Sua Alma (1964), Esta noite Encarnarei No Teu Cadáver (1966) e o Despertar da Besta (1969). Grande mestre do terror brasileiro, Marins ganhou sua primeira câmera aos 12 anos e não parou mais de fazer cinema. Zé do Caixão seu personagem mais famoso, foi inspirado no Drácula (interpretado por Bela Lugosi) e em Nosferatu. 

Creepy Metal Show

É apresentado por Sérgio Pires, com a proposta de mesclar heavy metal, contos de terror, literatura fantástica e curiosidades do mundo do rock n’ Roll.

O Programa conta com a colaboração de diversos escritores e seus contos de terror são lidos durante o programa, além da colaboração de outros Putzgrilicos nos em quadros como Arquivos do medo, além de dicas das series e filmes do gênero.

Sextas feiras às 20h

E-mail: creepymetalshow@gmail.com

Instagram: @creepymetalshow

www.facebook.com/creepymetalshow

Tchaina Bass

Tchaina Bass

Atua como baixista das bandas: Capa Preta Rock, Exclusão Social e Ligante Anfetamínico. Fundou o Selo Sub_Discos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × cinco =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.