Primeiro Festival de Música Negra de Porto Alegre

Primeira Edição do Festival Porongos, nasce com intuito de dar visibilidade a história dos Lanceiros Negros

Festival Porongos, é um festival de música negra, que tem como propósito trazer a história dos Lanceiros Negros para dentro da Semana Farroupilha. Os artistas a se apresentarem são: Camila ToledoGilberto OliveiraNegra JaqueSaskia e a banda Ivy King.

O evento será realizado no dia 19 de setembro de 2018 (véspera do feriado farroupilha), na casa de shows Bate que fica localizado na ruaJoão Alfredo, 701 – Porto Alegre/RS, horário de início às 23hrs. Com produção de Daniele Rodrigues e Thaise Machado que juntas também coproduzem a Segunda Negra. O festival irá  arrecadar alimentos, materiais escolares e de higiene que devem ser direcionados para o projeto de educação étnico-social ORI INU.

SERVIÇO:

Festival Porongos
Local: Bate – João Alfredo, 701/Porto Alegre/RS

Data: 19 de setembro de 2018 (véspera de feriado)
Horário: 23hrs
Ingresso:
Inteira R$ 30,00
Promocional* R$ 25,00 + doação
Associações e Coletivos** R$ 20,00 + doação

Link para o evento: https://www.facebook.com/events/242416423084109/
Página Facebook: https://www.facebook.com/festivalporongos/

Informações para imprensa: 51 99203-2416 Thaise // 51 99197-7668 Daniele

E-mail: festivalporongos@gmail.com

Sobre a proposta do projeto:
A música, para nós, sempre foi e será uma das principais ferramentas de combate ao racismo e de denunciar preconceitos. A partir disso, o Festival Porongos de Música Preta Independente, nasce. Em forma de manifesto! Tornando presente e dando notoriedade a história dos Lanceiros Negros, que lutaram na Guerra Civil Farroupilha, em troca de sua liberdade.

Buscamos através da cultura disponibilizar o conhecimento sobre o massacre de corpos negros e desmistificar essa celebração em nosso estado! Acreditamos que a arte possui papel político. Nossos corpos são políticos, e através dessas narrativas, propomos um evento que busca instigar o pensar sobre a comemoração de uma revolução fictícia. A história de porongos necessita ser lembrada.

Em uma sociedade que insiste nos privar a liberdade, a oralidade, a cultura, ao acesso a informação, com o temor de que nós, negras e negros, pudéssemos colocar em risco a estrutura racista que se aplica até hoje. Temendo a nossa intelectualidade e nosso fazer artístico. Como consequência disto, floresce este festival. Lanceiros Negros, Presente! Rompendo as normativas de produção cultural aplicada nesta capital. O evento é produzido e protagonizado por pessoas negras! Este surge com a função de nos colocarmos como centro de nossa produção e arte. Pluralidade da música preta!

Compartilhe:

Related posts

Leave a Comment

doze − 1 =

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.