Ikke Flesch reúne músicos importantes do rock brasileiro para alçar voo em carreira solo

Ikke Flesch vai “Bem Mais Alto que o Céu” em disco de estreia

 

Em nove faixas, cantor traz de volta a sonoridade dos anos 70

Gravado no Estúdio Madeira, em São Paulo, “Bem Mais Alto que o Céu”, disco de estreia  de Ikke Flesch, traz de volta o clima do rock setentista dos Rolling Stones e Black Crowes. Além da dupla Ikke Flesch (voz e guitarra) e Wagner Vallim (guitarra), todas as faixas contam com Rodolfo Krieger (Cachorro Grande, baixo), Duda Machado (Pitty, bateria) e Eliezer Fagundes (piano, Rhodes e Nord). Também participam do disco Beto Bruno, Marcelo Gross e Pedro Pelotas (Cachorro Grande), Rafa Pagani Godoi – que já gravou com os Mutantes – e os Perdidos da Augusta – na versão acústica de “Recomeçar”.

Das nove faixas do disco, apenas “Até o Sol Chegar” (Wagner Vallim/Rafael Cavalcante) não foi composta por Ikke. O piano dos estúdios TRAMA, usado na gravação, é uma relíquia do século XIX e também foi usado no disco “Panela do Diabo” (1989) de Raul Seixas e em gravações de Elis Regina e também Roberto Carlos.

Primeira música do disco, “Até o Sol Chegar” é um rock stoneano que fala sobre uma mulher que só existe nos sonhos do protagonista. A faixa é uma metáfora para idealizações que perseguimos e, mesmo sabendo que pode não ser exatamente como pensamos, queremos curtir aquela magia. Composição do guitarrista Wagner Vallim para sua antiga banda, o Velho Joe, a música ganhou teclados e um vocal bem inspirado do Ikke.

Com uma levada a La Black Crowes e teclados MOOG de Pedro Pelotas (Cachorro Grande), “Aonde Você Está” fala sobre a melhor maneira de alertar um amigo sobre companhias  você já conhece bem e que não são bem intencionadas, mas há um receio de acabar se passando por mal na história. A música que começa mais lenta e cadenciada, ganha velocidade e potência no último refrão.

“Efeitos Especiais” aborda a procrastinação – tentar achar desculpa, mesmo já sabendo onde tudo vai dar. E tudo que pode ser uma desculpa para não rolar, acaba se tornando um motivo maior pra acontecer. A letra foi escrita em 2006, quando Ikke Flesch encontrou sua mulher pela primeira vez. A faixa conta com a participação de Beto Bruno e Marcelo Gross (Cachorro Grande), que encerra com um inspirado solo de guitarra.

 

 “Hey Jack” é um conselho para quem está entrando no meio musical. Segundo o compositor, todo garoto que está começando a tocar tem a ilusão de estar em cima de um palco e será visto por aquele “olheiro” que lhe entregará a chave do sucesso. “Vai precisar trabalhar muito antes de achar que é alguém realmente tão importante”, comenta. O trombone no final da faixa foi gravado por Rafa Godoi, que não tocava o instrumento desde 2009, no disco “Haih or Amortecedor” dos Mutantes.

Quinta faixa do disco, “Tão Perto” é a mais melódica do disco. Mais lenta, tem um belo riff de guitarra e uma letra reflexiva (“Tudo o que foi, é/e é por que será/Nada que fica/fica fora do lugar”) que expressa o sentimento que Ikke quer passar com sua música: se você vai ser feliz, você já é feliz, e sempre foi feliz, basta enxergar isso.

Às vezes, levamos a vida muito a sério querendo achar explicação para tudo, mas no final, cada um é feliz com a sua própria verdade. “Sofia” fala sobre a maior sabedoria: saber que não se sabe nada pra que a vida nos ensine. O piano elétrico Fender Rhodes dá um toque.

Feita uma semana antes da gravação do disco, “O que você não vê” tem variações de andamentos, alternando entre um rock and roll acelerado e as batidas mais lentas. A letra fala sobre o erro de buscar um culpado pelos seus méritos. “É importante a pessoa saber o poder que tem dentro de si e que é capaz de cumprir seus objetivos sem desculpas”, explica Ikke.

Focar no problema – e não na solução – só o torna ainda maior. É preciso ir “Bem mais alto que o Céu” para encontrar um resquício mínimo de luz pra deixar tudo muito claro. Gravada com baixo oitavado, a música começou a ser escrita em 2004, mas tomou forma durante os ensaios para a gravação do disco quando Wagner Vallim mostrou um riff de guitarra que faltava para finalizar a composição. A música fica completa com o Moog de Pedro Pelotas.

Sempre que se tem objetivo é preciso saber a hora de dar um passo para trás quando algo anda errado. Esse é o mote de “Recomeçar”, que fecha o disco. Escrita em homenagem ao avô de Ikke – Rudy Oscar Haas, a quem o disco é dedicado -, que sempre deu força ao músico e o incentivava a recomeçar quando tudo parecia não ter mais solução.

FICHA TÉCNICA:

Ikke Flesch / Vocais e Guitarra

Wagner Vallim / Guitarra

Rodolfo Krieger / Baixo

Duda Machado / Bateria

Eliezer Fagundes / Piano, Rhodes e Nord

Participações:

Beto Bruno (vocal) e Marcelo Gross (guitarra) em “Efeitos Especiais”

Pedro Pelotas (Moog) em “Aonde Você Está” e “Bem Mais Alto Que o Céu”

Rafa Pagani Godoi (metais) em “Hey Jack”

Perdidos da Augusta em “Recomeçar (Acústica)”

Produzido e gravado no Estúdio Madeira em São Paulo/SP por:

Ikke Flesch, Wagner Vallim, Rodolfo Krieger e Duda Machado

Técnico de estúdio: Jander Antunes (Cavalo)

Piano gravado nos estúdios TRAMA com Ronaldo Frige e Paulo Phoenix

Mixagem e Masterização: André Tavares (André T) em Salvador/BH

Capa: Greg Kickow

Fotografia: Andi Rodrigues

Produtor Executivo: Carlos Maestrini (Maestro)

Compartilhe:

Related posts

Leave a Comment

1 × três =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.