Gilberto Six entrevista Wander Wildner

Gilberto Six entrevista Wander Wildner

Numa noite de sexta-feira 13 no mês de março, Wander Wildner fez o show de lançamento de seu mais recente trabalho “Existe Alguém Aí?” no Bar Opinião, em POA, com transmissão ao vivo pela Rádio Putzgrila.

O oitavo CD de uma carreira marcada por grandes viradas e mudanças de conceitos e de som e também por uma integridade artística acima de qualquer suspeita.

“Existe Alguém Aí?” é um disco conceitual que tem como tema os nossos conturbados dias e que traz uma visão extremamente crítica da sociedade atual; político sem ser panfletário, existencialista e que trilha o caminho da esperança nas pessoas e em dias melhores.

“Existe Alguém Ai?”  marca o retorno das guitarras e de um trio básico (bateria, baixo e guitarra) além de um teclado que pontua algumas faixas, um Rock mais cru, na fronteira entre o Punk Rock e o Rock básico, diferente de seu antecessor “Mocochinchi Folksom”, lançado em 2013, que tem um forte acento folk.

Wander encarna personagens diferentes nas canções, alguns deles mulheres, fala de solidão e do caos urbano de Porto Alegre.

Ele passou pelo estúdio da Rádio Putzgrila (quando ainda localizava-se na Marquise 51) na quarta-feira, 10 de março, e comentou faixa por faixa do álbum “Existe Alguém Aí?” numa entrevista para Gilberto Six no programa “Good Day Sunshine”.

A primeira entrevista do Bardo Punk Existencialista e Mestre Cervejeiro à Rádio Putzgrila.

Wander Wildner e Gilberto Six
Wander Wildner e Gilberto Six

Confira abaixo a entrevista na íntegra.

Gilberto Six entrevista Wander Wildner by Rádio Putzgrila on Mixcloud

Rádio Putzgrila

A Putzgrila é um veículo de rock consolidado na internet, com mais de 13 anos de programação ao vivo, transmissões de festivais, notícias, lançamentos e cobertura de shows nacionais e internacionais.

2 comentários sobre “Gilberto Six entrevista Wander Wildner

  1. Depois de ouvir essa entrevista, tão legal, precisei responder à provocação. Sim, tem gente por aí. Ainda e sempre. Talvez sejam menos. Talvez estejam obsoletas para o que dita o “mercado.” Talvez esses resistentes sejam pessoas que também sofrem silenciosamente mas que igualmente teimam em conservar a esperança. E não deixa de ser irônico: a mercantilização quis ceifar todos os espaços tradicionais de expressão, buscando destruir a cultura e massificar uma forma homogênea e alienada de representar e se relacionar com o mundo. Mas a inconformidade e o talento sempre encontram uma forma criativa de contornar esses obstáculos, chegando a um público que não mais consegue obter novidades de maneira passiva, mas que anseia e precisa buscá-las ativamente (tornando esse processo ainda mais crítico e corrosivo em relação ao mainstream). Parabéns ao artista pela sua obra. Que transmite algo sombrio, sem ser desprovida de questionamento e lirismo.

  2. Olá, acabo de ouvir a entrevista com o Wander (gravação). Parabéns ao Wander, ao Gilberto Six e para o pessoal da Putz. Precisamos dessas cabeças pensantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 − doze =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.