Estrelas na cena psych brasiliense, Rios Voadores lançam segundo álbum cheio: “Rios Voadores Na Era Sinistroyka”

Exílio, quase-morte, alienação, relacionamentos partidos, amigos que se foram. Um clima muito diferente pautou a composição do segundo álbum da banda brasiliense Rios Voadores. Conhecidos por uma presença de palco luminosa que exala joie de vivre, o grupo encarava dias sombrios em 2016, ano no qual lançou seu disco de estreia (Rios Voadores, disponível em CD e LP). A euforia inicial parecia ter esvanecido e a banda estava prestes a se aposentar quando uma notícia chegou e mudou tudo: haviam sido contemplados pelo Fundo de Apoio à Cultura – FAC, da Secretaria de Cultura do Distrito Federal, para a gravação de seu segundo álbum.

Então, o que fazer? Àquela altura, o repertório da Rios estava esgotado e seus integrantes encontravam refúgio criativo e existencial tocando em outras bandas de Brasília. Desistir do FAC era uma opção, mas os “rios” optaram por chacoalhar suas águas, virar a maré e, a partir de novas vivências e referências, esculpir uma nova leva de músicas. O resultado desse movimento produziu o álbum Rios Voadores na Era Sinistroyka, o próximo lançamento do selo candango Quadrado Mágico.

Disponível para audição nas plataformas digitais a partir de 28 de junho, o disco encontra a banda revigorada. Se mudassem de nome, poderiam muito bem se passar por uma outra entidade. Acontece que, desde a fundação do grupo, em 2011, Gaivota Naves (vocal), Marcelo Moura (guitarra e vocal), Tarso Jones (vocal e teclados), Beto Ramos (baixo) e Hélio Miranda (bateria) amadureceram como pessoas e como músicos e as ideias começaram a fluir mais inspiradas. Os arranjos passaram a se submeter às canções, não o contrário, caso do primeiro disco. Se antes, o rock, brasileiro e internacional, dos anos 1960 e 1970, pautava as composições, agora a psicodelia foi colocada (um pouco) de lado em favor de músicas que bebem de fontes mais diversas – soul, indie rock, até MPB. Mas o que, exatamente, caberá ao ouvinte decifrar. Nada aqui remete de cara a alguma matriz. Talvez porque o grupo trabalhou em cima de conceitos mais livre do que referências diretas. Assim, a Rios alcançou aquilo que todas as bandas almejam, mas só as melhores conseguem: personalidade.

Gravado entre fevereiro e março de 2019, em Brasília, na Sala Fumarte (onde o som é de verdade!) e na Casacajá, o álbum foi produzido e mixado por Gustavo Halfeld e masterizado por Felipe Tichauer. Sombrio Muniz compôs os arranjos de metais. Fernanda Azou assina a pintura da capa e o lettering e a diagramação são de Alyssa Volpini. Com o novo disco, cujo show de lançamento em Brasília será no Picnik Festival, em 10 de agosto, a banda passa a integrar o elenco do selo Quadrado Mágico.

Ao longo das 10 faixas de Rios Voadores na Era Sinistroyka, a banda mergulha em letras subjetivas nas quais é possível pinçar reflexões diversas: ressacas, dores do crescimento, confusões, autoconhecimento, receios e descobertas. São “grogues em busca de razão” (como avisa Lá fora) na tal Era Sinistroyka. “Sangue, jornal, filme”, resume a letra de Garganta seca. Repare: não é de forma alguma um disco “deprê”, mas é como se a ingenuidade technicolor dos primórdios tivesse dado lugar a uma TV em preto e branco. E todo mundo curtiu.

Pois foi justamente na paleta de cinza que o grupo se encontrou para essa nova fase. As músicas estão mais lentas, mas as guitarras mais ardidas. As melodias mais diretas e eficientes. A cozinha, potente e com groove. Menos retrô, mais contemporâneo. Qualquer música poderia ser um hit em potencial. Da plateia, ouvimos (e imaginamos ver) uma performance realmente emocionante.

Outra novidade é a divisão das vozes: Tarso assume o vocal na maioria das faixas (Lá fora, Asa céu, Dias de caras – Quase ok, Caverna moderna e Plateia) e se garante como vocalista de valor (algo Arnaldo Baptista); Gaivs, mais dona de seus poderes, está cantando como nunca (Garganta seca, Cinzas, Miga sua loka e Nave nova); e Marcelo contribui de maneira sutil com sua voz na faixa de encerramento (a delicada Olhar azul). Rios Voadores na Era Sinistroyka não é apenas um ótimo disco. É dos melhores que o rock de Brasília produziu em temporadas recentes.

Compartilhe:

Related posts

Leave a Comment

treze − quatro =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.