Documentário ‘Central’ mostra a realidade dentro do pior presídio do Brasil

Central – Trailer Oficial from Panda Filmes on Vimeo.

Em meio ao caos do sistema carcerário que se desencadeou no Brasil, em que centenas de presos são submetidos à superlotação, falta de infraestrutura e de higiene e má alimentação dentro dos presídios e as cidades estão vivendo ondas de violência nunca vistas, estreia o documentário Central – O poder das facções no maior presídio do Brasil, que retrata de dentro das celas a realidade nua e crua do pior presídio do Brasil e também da América Latina. O documentário, inédito no cinema brasileiro, é dirigido por Tatiana Sager com codireção de Renato Dornelles e usa como ponto de partida o Presídio Central de Porto Alegre – considerado em 2008 o pior presídio do país pelo Congresso Nacional e um dos piores da América Latina pela Organização dos Estados Americanos (OEA) – para traçar uma radiografia da crise nas penitenciárias brasileiras.
Central traz à tona, além da narrativa vista sob a ótica dos diretores, o olhar dos próprios presos sobre a realidade em que vivem. Com câmeras nas mãos, os presos captaram imagens diretamente nas galerias, onde nem mesmo a polícia tem acesso. O filme mostra a vida como ela é dentro de celas superlotadas, sem higiene e com uso liberado de todos os tipos de drogas.

O documentário é inspirado no livro Falange Gaúcha – a história do Crime Organizado no RS, de Dornelles, que aborda a dimensão das disputas de poder entre as facções, os conceitos de violência simbólica e econômica, segregação e vulnerabilidade social e, ao mesmo tempo, os conceitos de vingança privada, universidade do crime e o senso comum, expresso no ditado popular “bandido bom é bandido morto!”. O filme também dialoga sobre a questão da segurança pública, um dos principais temas em debate no país. Entender a lógica do encarceramento em massa é mergulhar na história de um Brasil pouco conhecido, em que o Estado atua na contramão da própria reconquista da liberdade e ressocialização dos cidadãos infratores.
A partir de depoimentos de policiais militares, autoridades, como o juiz Sidinei Brzuska, da Vara de Execuções Criminais de Porto Alegre, o promotor de Justiça Gilmar Bortolotto, e o sociólogo Marcos Rolim, familiares e presos, o filme também desnuda as diversas faces de uma mesma história, procurando expressar a autenticidade de um mundo que corre à margem, mas que está absolutamente integrado à nossa estrutura social.
O documentário recebeu os prêmios de Melhor Documentário de Língua Portuguesa no FESTin – Portugal (2016), de Melhor Documentário no 33° Prêmio Nacional dos Direitos Humanos de Jornalismo (2016) e de Finalização FAC-RS (2014). Além de ter participado da seleção oficial do Florianópolis Audiovisual do Mercosul (FAM), em Santa Catariana (2016), e do DocMontevideo, no Uruguai (2016), da Mostra Panorama do Festival Visões Periféricas, no Rio de Janeiro (2016) e da Mostra Gaúcha do Festival de Cinema de Gramado, no RS (2016).

//Serviço
Estreia nacional: Caxias do Sul, POA, SP e RJ
Espaço Itaú de Cinema e GNC Cinemas

//Ficha técnica

Direção: Tatiana Sager
Codireção: Renato Dornelles
Produção: Beto Rodrigues e Tatiana Sager
Produção Executiva: Beto Rodrigues e Raquel Sager
Roteiro: Tatiana Sager, Renato Dornelles e Luca Alverdi
Direção de Fotografia: Pedro Rocha
Trilha Sonora Original: Everton Rodrigues
Montagem: Luca Alverdi e Ricardo Zauza
Desenho de Som e Mixagem: André Sittoni
Idade Indicativa: 14 anos

Compartilhe:

Related posts

One Thought to “Documentário ‘Central’ mostra a realidade dentro do pior presídio do Brasil”

  1. Paulo Zietlow

    Estou tranquilo. As últimas 500 vagas no PCPA foram feitas por mim, em 2009, quando da inauguração dos pavilhões novos. Mas isto foi em um tempo que eu era um homem sério e não havia ficado doente. Mas na boa, por um ano não dormi por causa do sistema penitenciário. Muita pressão. Isto me ajudou a ficar doente. Agora só escrevo para lutar contra o Parkinson e problemas vasculares. Agora, na boa, o PCPA foi responsável por uns 50% da cicatriz que tenho na barriga.Um abraço.

Leave a Comment

cinco × três =