Charles Manson morre aos 83 anos

Charles Manson morre

Charles Manson morre aos 83 anos nos EUA

Charles Milles Manson, talvez tenha sido um dos psicopatas mais conhecidos do mundo. Ele nasceu em 12 de novembro de 1934 e morreu hoje, 20 de novembro de 2017, de causas naturais, enquanto cumpria prisão perpétua na Penitenciária Estadual de Corcoran, na Califórnia. Ele foi o fundador e líder da seita denominada ‘A Família’,  que cometeu vários assassinatos nos Estados Unidos no fim dos anos 1960.

Vindo de um lar abusivo, ele era filho de Kathlee Maddox, que o teve aos 15 anos. Quando a mãe não estava presa, estava sob efeito de drogas ou prostituindo-se. Ele passava então a maior parte do tempo com a avó ou seu tio, que espancava-o e abusava dele. Segundo Manson, ele era obrigado pela mãe a ir vestido de menina para a escola e ela chegou a vendê-lo num bar em troca de uma dose de bebida alcoólica. Manson foi preso pela primeira vez aos nove anos de idade, por roubo. Tendo passado por inúmeras instituições correcionais ao longa da vida, foi posto em liberdade aos trista e três anos.

No ano de 1968, ele formou uma comunidade alternativa em Spahn Ranch, perto de Los Angeles, intitulada “A Família”, composta principalmente por homens e mulheres de famílias ricas e disfuncionais, que abandonaram suas residências para acompanhar Manson. Segundo especialistas em psicologia forense, Charles tinha grande necessidade de chamar a atenção para si mesmo, sendo manipulador. Tinha uma inteligência acima da média e falava de filosofias pouco conhecidas na época, como o budismo e a cientologia. Uma de suas obsessões eram os Beatles. Ele tocava violão e acreditava que tendo oportunidade, seria maior que eles. Alguns dos admiradores de Manson o consideravam uma reencarnação de Jesus Cristo – uma analogia a ele abrir a vida dos jovens para “novos horizontes”. Dono de um carisma impressionante, Manson chegou a relacionar-se com Dennis Wilson, do grupo Beach Boys, a fim de tornar sua seita ainda mais conhecida, porém Wilson acabou afastando-se do grupo.

Em 1968, quando os Beatles lançaram The Beatles, que ficou conhecido como Álbum Branco, Manson viu ali um “sinal” para ele e sua família. O disco trazia canções como “Revolution” e “Helter Skelter”, músicas que diziam que uma guerra entre brancos e negros deveria começar . Charles leu em um livro religioso que ele e sua “família” esconderiam-se no deserto, durante esta guerra racial, e que a  Família Manson retornaria e assumiria o comando da sociedade que surgiria, sendo Charles o “quinto anjo” (os outros quatro seriam os integrantes dos Beatles). Como os negros não iniciaram a guerra na data em que Charles previu, ele percebeu que teria que dar início a revolução.

Em agosto de 1969, um pequeno grupo da seita de Manson invadiu uma casa alugada por Roman Polanski em Cielo Drive,  em Bel Air, assassinando sua esposa Sharon Tate — que estava grávida de oito meses — e mais quatro amigos do casal. As vítimas foram baleadas, esfaqueadas e espancadas até a morte, sendo o sangue delas usado para escrever mensagens nas paredes. Na noite seguinte, o mesmo grupo invadiu a casa de Rosemary e Leno LaBianca, matando o casal. As mensagens escritas na parede da casa foram “Helter Skelter“, “Death to pigs” (“morte aos porcos”) e “Rise” (“subida”). O caso chama atenção por Manson não estar presente em nenhum dos assassinatos que sua seita cometeu, tendo ele “apenas” influenciado os seus jovens seguidores a matar. Manson foi julgado e condenado à morte em 1971, com a pena posteriormente transformada em prisão perpétua. Pena que cumpriu até 19 de novembro de 2017 na Penitenciária Estadual de Corcoran, na Califórnia onde foi transferido para um hospital e morreu.

Charles Manson sendo preso em 1971

 

Em 1970, Manson lançou o álbum “Lie: The Love and Terror Cult”. Anterior (no caso de “Never Learn Not To Love”, canção do The Beach Boys composta a partir de modificações da música “Cease To Exist”) e posteriormente, muitas das músicas do álbum foram gravadas por artistas de renome, como o Guns N’Roses (“Look at Your Game, Girl”, faixa oculta no álbum de 1993 “The Spaghetti Incident?”), Front Line Assembly, GG Allin (“Garbage Dump”), Rob Zombie, Redd Kross, The Lemonheads (os três últimos gravaram versões de “Cease To Exist”), The Brian Jonestown Massacre (“Arkansas”), Marilyn Manson (“Sick City” e “My Monkey”, que contém trechos de “Mechanical Man”) e Devendra Banhart (“Home Is Where You’re Happy”). Além disso, com o passar do anos, ele tornou-se ícone da cultura Pop, havendo inúmeros livros e teses sobre ele, bem como filmes e seriados.

 

Compartilhe:

Related posts

Leave a Comment

1 × cinco =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.